TV 2.0
30/10/2007, 19:20

Publicidade persiste em novas plataformas

POR REDAÇÃO

Os modelos de negócios aplicados hoje na televisão não podem ser os mesmos da TV 2.0. A afirmação é do diretor de relações externas da Procter & Gamble, Pedro Martins Silva, que participou do painel ?A publicidade nas novas plataformas?, realizado durante o Congresso TV 2.0, evento promovido pelas revistas TELA VIVA e TELETIME, nos dias 30 e 31 de outubro em São Paulo.
Enquanto o modelo de remuneração das agências, baseado na compra de mídia e na bonificação de volume (conhecido como BV) é questionado por Silva, o diretor de novos negócios da NeogamaBBH, Maurício Mansur, afirmou que a prática do BV já permeia também os canais da Internet. ?Os grandes portais já nos oferecem BV?, afirma o diretor.
Silva lembra que para investir em uma mídia, é necessário apresentar métricas que comprovem o investimento. ?É fundamental que não seja só a boa idéia, já que as empresas precisam prestar contas a seus acionistas?, afirma.
Também participaram do painel Manoela Pereira, do UOL, e Antony Martins, da TV1.

Players sem rumo

Diante do novo cenário apresentado pelas novas plataformas, o diretor da Procter & Gamble afirma que todos os players estão inquietos e que nenhum deles sabe ao certo o que fazer. No caso dos anunciantes, há ainda um descontentamento com as agências. ?Os anunciantes estão inquietos diante das novas opções, conscientes da necessidade de comunicação integrada, e insatisfeitos com os serviços recebidos?. Ele acredita que tanto as agências tradicionais quanto as especializadas não estão completamente preparadas para enfrentar os novos desafios e que há espaço hoje no mercado para um player integrador. ?As agências tradicionais estão inseguras quanto à remuneração de seus serviços e hoje não existe uma só agência que cuide de todos os canais de comunicação?, diz. ?No entanto, as agências especializadas não conseguem a neutralidade desejada em relação aos meios?. Silva acredita que modelos como o de patrocínio de conteúdo são opções a serem expandidas nas novas plataformas. ?É um modelo que liga o gerador de conteúdo diretamente ao patrocinador, sem necessariamente estar ligado ao distribuidor?, diz.
?As agências não estão preparadas, os veículos também não e nem mesmo nós, anunciantes?, concluiu Silva.

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 0-2017 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top