OUTROS DESTAQUES
Contratos em dólar não são da alçada da Anatel, diz Guerreiro
quarta-feira, 09 de janeiro de 2002 , 21h05 | POR REDAÇÃO

A compra da programação em moeda estrangeira, especificamente o dólar, é conseqüência da grande quantidade de programas importados pelo Brasil e que têm seus custos calculados na moeda norte-americana. Para Guerreiro, aconteceria a mesma coisa no caso do Brasil vender programação para outros países, que poderiam reclamar que os custos da produção destes programas são em real. O presidente da Anatel acredita que este assunto não cabe à agência, por ser muito mais uma questão de conteúdo. Segundo ele, a questão somente será resolvida com o crescimento do mercado de TV por assinatura no Brasil. "É preciso que o nosso mercado cresça para que os nossos operadores tenham maior poder de barganha com os produtores. Quando isso acontecer, teremos condições de fazer exigências como hoje já fazem as grandes empresas de telecomunicações no país, que têm alguns de seus contratos em real. É o tamanho do mercado brasileiro que justifica este tipo de negociação", afirma Guerreiro.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro do mercado de satélites brasileiro

31 de agosto a 1 de setembro
Royal Tulip Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Top