Programação
10/08/2017, 01:09

Combate comemora 15 anos com programação especial

O Combate completou nesta quarta, 9, 15 anos de criação da marca. Para comemorar a data, preparou uma programação especial para o mês. Os assinantes poderão ajudar a escolher o que querem assistir, conferir documentários exclusivos e assistir a alguns eventos históricos do mundo das lutas.

O Combate foi criado em 2002 pela Globosat/Horizonte e é o primeiro canal com uma programação exclusiva voltada para lutas. Comercializado pelo sistema a la carte, é composto por uma equipe especializada de comentaristas, narradores e apresentadores, e também pode ser assistido pela internet através do Combate Play. Lançada em 2013, a plataforma permite que os assinantes continuem acompanhando toda programação e eventos ao vivo em computadores ou em celulares e tablets pelo aplicativo.

Veja a programação Especial Combate 15 anos.

"Faixa Interativa" (Todas as sextas de agosto às 21h00): Durante o mês de agosto haverá uma enquete semanal para escolher qual evento o assinante quer assistir. A programação vencedora será exibida as sextas, às 21h.

Especial Combate – O Futuro começou há 15 anos. Parte 1- 09/08, às 21h00. Parte 2-16/08,
às 21h. O especial vai mostrar como o Combate faz parte da história do mundo das lutas através de depoimentos de especialistas do esporte como Rhoodes Lima, Luciano Andrade, Marcelo Alonso,  Kyra Gracie, Ana Hissa, Jorge Guimarães (Joinha),  entre outros.

Eventos históricos na programação:
– UFC 126 – Silva X Belfort – (08/08 – 23h30)
Conhecida como "a luta do século", o duelo entre os dois brasileiros mais conhecidos do UFC não correspondeu às expectativas de que seria uma "guerra", mas ainda assim marcou época com um nocaute que se tornou uma das imagens símbolo do Ultimate. O confronto entre Spider e Fenômeno abriu os olhos da mídia brasileira para o potencial do UFC e o chute frontal que derrubou Belfort em apenas 3m25s assombrou o mundo. A luta teve poucos golpes trocados; quando Belfort atacou com sua veloz mão esquerda, Anderson mostrou seu incrível poder de esquiva. Quando os dois pararam no centro do ringue, o paulista desferiu a ponteira de esquerda que desmontou o carioca. Ele ainda acertou dois socos no rosto antes de Mári Yamasaki encerrar o combate. A imagem do chute será para sempre um dos "cartões de visita" do UFC.

– UFC 17.5 – Ultimate Brazil (11/08 – 18h)
A competição foi a primeira aparição do UFC no Brasil e o terceiro evento do UFC que aconteceu fora dos EUA.  O evento contou com a primeira luta pelo cinturão Peso Leve, disputa entre os brasileiros Cesar Marscucci e Paulo Santos.

– UFC 139 – Shogun X Henderson (11/08 – 14h30)
Maurício Shogun e Dan Henderson estiveram envolvidos em várias das melhores lutas da história do MMA, então quando os dois foram colocados no evento principal do UFC 139, era de se esperar um grande combate. Mas ninguém estava preparado para a batalha que se seguiu, em que os lutadores tiveram chances de encerrar o duelo em cada um dos três primeiros rounds e foram até o final dos cinco previstos. Hendo levou a melhor graças aos seus momentos nos três rounds iniciais. O que não se discutiu foi o lugar do duelo no panteão das grandes lutas de MMA de todos os tempos, e o combate foi comparado até ao "Thrilla in Manila", histórico encerramento da trilogia entre Muhammad Ali e Joe Frazier, tido por muitos como o melhor combate de boxe da história.

UFC 1,2 e 3 (12/08 – 17h00)
UFC 1 – O torneio que começou tudo. Foram muitos momentos inesquecíveis: o chute de Gerard Gordeau que fez o dente de Teila Tuli voar; a primeira aparição do histórico "trenzinho Gracie" que levou Royce ao octógono; Art Jimmerson com apenas uma luva; o histórico duelo entre Royce Gracie e Ken Shamrock nas semifinais; a mordida de Gordeau na orelha de Royce; e a vitória de Royce Gracie que chocou o mundo. O primeiro Ultimate Fighting Championship foi o início da revolução das artes marciais a caminho da criação do MMA, e não haveria Anderson Silva, Randy Couture, Chuck Liddell, Vitor Belfort, Georges St-Pierre e outros sem a atuação de Royce Gracie, Ken Shamrock, Gerard Gordeau, Kevin Rosier, Art Jimmerson, Patrick Smith, Zane Frazier e Teila Tuli, os oito homens que fizeram parte daquele torneio "sem regras, sem categorias de peso e sem limites de tempo".

UFC 3 – O Ultimate 3 foi o ápice da era "freak show" da organização. Sem categorias de peso na época, a primeira luta teve o lutador mais pesado da história do UFC, o sumô Emmanuel Yarborough, anunciado oficialmente com 279,4kg. Um empurrão seu chegou a jogar Keith Hackney para fora do octógono (a porta estava mal fechada), mas ele durou menos de dois minutos contra o carateca, que o derrubou com uma série de uppers e quebrou a mão ao desferir golpes no chão para encerrar a luta. Na quarta luta da noite, Kimo Leopoldo entrou carregando uma cruz gigantesca, como se fosse Jesus Cristo, e em seguida deu a Royce Gracie seu maior teste até ali. O americano colocou o brasileiro para baixo e o encheu de golpes.
Joyce fez o que pôde para sobreviver, até puxar o cabelo de Kimo, e conseguiu a vitória graças a uma chave de braço com 4m40s de luta. Exausto depois do combate, o carioca chegou a entrar no cage para sua semifinal contra Harold Howard, mas seus irmãos jogaram a toalha antes do início da luta, ao notarem que ele não teria condições. Ao saber que não teria sua revanche na decisão, Ken Shamrock desistiu de lutar a final e alegou ter se lesionado. No fim
das contas, o reserva Steve Jennum, que nem havia lutado até ali, conquistou o título ao derrotar Howard, marcando a primeira vez que Royce Gracie não saiu de um UFC como campeão.

UFC 157 – Rousey X Carmouche (13/08 – 14h00)
Demorou quase 20 anos para as mulheres terem sua primeira chance no Ultimate, mas elas entraram no octógono para lutar em 23 de fevereiro de 2013, em Anaheim, EUA. Ronda Rousey, que conquistou Dana White graças às suas dominantes apresentações no Strikeforce e à sua capacidade de conseguir mídia com declarações bombásticas, defendeu o cinturão dos pesos-galos femininos contra Liz Carmouche, ex-fuzileira naval que também fez história como a primeira lutadora abertamente homossexual da franquia.

UFC 100 (19/08 – 18h00)
O centésimo evento numerado do Ultimate foi o marco do ano conhecido como o melhor da história da companhia. O torneio bateu o recorde de vendas de pay per view da franquia, com 1,6 milhões de espectadores, recorde que permanece até hoje. A marca foi obtida graças ao  card repleto de estrelas, incluindo as duas maiores do Ultimate, Brock Lesnar e Georges St- Pierre. Lesnar fez uma esperada revanche contra Frank Mir e conseguiu dar o troco ao
nocautear o rival com 1m48s de segundo round. O grande destaque da histórica noite, foi o nocaute de Dan Henderson em Bisping. Hendo acertou seu conhecido overhand de direita, mandou o britânico para a lona e finalizou com um soco voador antes que o árbitro Mário Yamasaki pudesse interromper, com 3m20s do segundo round.

UFC 200 (19/08 – 21h00)
Estrelas da luta principal do UFC 200, Miesha Tate e Amanda Nunes mostraram que o MMA feminino é uma realidade, e fizeram a única disputa de título linear do torneio, o dos pesos-galos femininos. Duas das principais e mais respeitadas estrelas do peso-pena no mundo, José Aldo e Frankie Edgar fizeram uma revanche muito esperada pelos fãs. Anderson Silva aceitou o desafio de enfrentar Daniel Cormier, campeão dos pesos-meio- pesados da organização, e substituiu Jones, seu amigo e tido anteriormente como seu provável sucessor como o maior
lutador de todos os tempos.

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 0-2017 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top