TelasFórum
12/11/2015, 16:32

Canal Brasil busca séries e filmes para coproduzir

POR MARIANA TOLEDO

Henry Galsky, coordenador de projetos do Canal Brasil, abriu o encontro da última terça-feira comunicando alguns dados do grupo:

  • anualmente, o canal exibe aproximadamente 800 filmes;
  • hoje, eles são o terceiro maior canal de filmes do Brasil;
  • de 2011 para cá, o canal coproduziu 145 longas – 48 só no ano de 2015 (100% deles realizados através de orçamento direto do canal);
  • duas parcerias importantes foram firmadas: com o Telecine, por meio de coproduções (como "A Despedida" e "Por Trás do Céu") e com o Globo News, para documentários.

Segundo Henry, o modelo que mais interessa o canal no momento são projetos para coprodução. Nesse caso, o acordo entre eles e as produtoras funciona com um compartilhamento de direitos patrimoniais, cinco anos exclusivos para exibição em TV fechada para o Canal Brasil, disponibilização em VOD e aporte em dinheiro. Para que um projeto seja analisado, basta enviar uma versão no primeiro corte, sem finalização.

Em relação aos licenciamentos, o coordenador conta que esta é a área responsável pela manutenção do canal (70-75%). Exemplos de cases desse tipo são os longas "Lisbela e o Prisioneiro", "Made In China" e "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho". De acordo com Galsky, atualmente existem 24 projetos em fase de negociação para licenciamento pelo Canal Brasil, entre séries de ficção e documentais.

Em 2015, a estreia de peso do canal foi "Preto no Branco" que vai ao ar aos domingos, às 21h30. Na série, o jornalista Jorge Bastos Moreno entrevista nomes polêmicos do momento político no país. "É uma tentativa de mantermos nossa programação mais quente", justifica Henry. E ele revela: "Uma das grandes estreias previstas para o ano que vem é a série 'Os Inventores do Brasil'. O programa trará o ex-presidente da república Fernando Henrique Cardoso fazendo análises sociológicas de temas da História brasileira".

Por fim, Galsky define que a linguagem do canal é "documental cinematográfica", e isso deve ser levado em consideração pelas novas produtoras na hora de enviar seus projetos, sejam eles filmes ou séries, de ficção ou não-ficção.

Em relação aos filmes, eles estão atentos àqueles que possuem "pegadas artísticas" – o coordenador brinca: "Nos interessam longas que provavelmente não seriam sucesso de bilheteria nos cinemas". Projetos podem ser enviados diretamente para ele pelo e-mail hgalsky@canalbrasil.com.br ou para André Saddy, no e-mail saddy@canalbrasil.com.br.

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 0-2017 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top