OUTROS DESTAQUES
Política
Composição do CCS repercute mal no mercado
quarta-feira, 15 de maio de 2002 , 20h24 | POR REDAÇÃO

Não será simples para o Congresso encontrar apoio na sociedade para a composição acordada terça, dia 14, para o Conselho de Comunicação Social (CCS). A composição foi discutida e fechada no Senado e deve ir à Câmara.
A maioria dos radiodifusores não entendeu a razão da indicação do nome de Aleksandar Mandic como "engenheiro com notório conhecimento em comunicação social" para compor o conselho. Por conviverem com as regras e obrigações sociais da radiodifusão e terem profundo conhecimento tecnológico dos meios de transmissão, nomes como os de Alfonso Aurin (SBT), Antônio João Filho (Tele Design), Fernando Bittencourt (Globo), Olímpio Franco (SET), Roberto Franco (Record) e Miguel Cipolla (Bandeirantes) foram ouvidos por PAY-TV News no mercado como mais capacitados para ocupar a vaga. A ABTA, por sua vez, prefere emplacar o nome de Alexandre Annenberg não como suplente de Mandic (como ficou estabelecido), mas como titular da vaga no CCS.
Já o Fórum pela Democratização das Comunicações (que sempre cobrou a instalação do CCS e participa das negociações para a composição dos nomes) faz duras críticas ao fato de os representantes da sociedade civil previstos em lei para o CCS estarem sendo selecionados entre funcionários do Congresso Nacional. Estas críticas são, em maior ou menor intensidade, ratificadas por operadores de TV paga, radiodifusores e empresários de imprensa escrita. O Fórum também critica o prazo provisório de validade da atual composição do Conselho de Comunicação (até 31/03/2003) e quer que sejam seguidos os prazos previstos em lei.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro do mercado de satélites brasileiro

31 de agosto a 1 de setembro
Royal Tulip Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Top