Natpe 2007
17/01/2007, 17:55

Novos canais da Turner terão feed para o Brasil

POR EDIANEZ PARENTE, DE LAS VEGAS

A Turner Broadcasting System Latin America, que anunciou em dezembro a compra de sete canais básicos da Claxson já presentes no mercado latino, planeja trazer estes canais ao mercado brasileiro, a maioria deles com "feeds" exclusivos para o País. Os canais comprados são: Infinito, Retro TV, Fashion TV, Much Music, HTV, Space e I-Sat, numa negociação que chama a atenção pelo alto valor – US$ 235 milhões. O presidente da TBS Latin America, Juan Carlos Urdaneta, destaca que a Turner também assegurou no negócio a distribuição dos canais premium adultos da Claxson na região (Playboy TV e Venus, entre outros), com exceção do Brasil. Segundo ele, a TBS LA não adquiriu os canais adultos da Claxson simplesmente porque eles não estavam à venda. No Brasil, a Claxson fez uma negociação específica com a Globosat para os seus canais adultos, formando junto à programadora uma uma joint-venture para a programação e distribuição dos canais. A formatação da nova empresa está, no momento, sendo concluída.

Novos players

A compra dos canais pela Turner ainda necessita de aprovação das autoridades na Argentina para se efetivar. Tão logo ocorra, a programadora começa a implementar suas estratégias para os seus pacotes de canais.
Urdaneta não revela o quanto a programadora pretende investir na remodelagem dos canais, mas diz que haverá oportunidades para inovações e também co-produções. Ele lembra que há novos players de distribuição ingressando no segmento e das novas possibilidades que surgirão se forem permitidos os novos servicos das teles, o que ele chama de "revolução pela telefonia".

Brasil

No Brasil, o vice-presidente da Turner local, Anthony Doyle, vê muitas oportunidades de interesse local dos canais recém adquiridos, mas ressalva que é preciso primeiro olhar financeiramente a estratégia antes de empacotar os canais para o País. "É dificil entrar com novos canais, há sócios estratégicos nas maiores operadoras." Mas ele sabe que também é necessário tornar os canais mais relevantes ao mercado e para isso vale destacar a sinergia que há em uma programadora de atuação pan-regional. Doyle lembra que experiências do passado mostraram que não adianta querer trazer para o Brasil os mesmos canais desenhados para os demais paises da América Latina.

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 0-2017 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top