OUTROS DESTAQUES
Publicidade
Mercado anunciante também pede crescimento
quinta-feira, 17 de outubro de 2002 , 18h36 | POR REDAÇÃO

A necessidade de crescimento do número de assinantes de TV no País também se reflete na venda de publicidade dos canais pagos. "O mercado (anunciante) cobra, sim, o crescimento do setor", disse Rafael Davini Neto, diretor de vendas de publicidade da Turner do Brasil. Ele lembra que o Brasil é o sexto colocado entre os países com maior possibilidade de crescimento no segmento (o primeiro é a TV paga na China). Cláudio Santos, diretor comercial da Globosat, diz que é possível crescer do atual patamar de 1,7% de participação do bolo publicitário nos próximos anos para pelo menos 4%, ganhando principalmente sobre o meio revista – e não necessariamente sobre a TV aberta. E, como resposta a uma pergunta da platéia, o diretor comercial da Globosat disse que estritamente sob o ponto de vista da venda de publicidade – e não considerando contratos vigentes e questões estratégicas de competitividade, questões fora de sua alçada – a quebra de exclusividade de alguns canais, com o consequente aumento de distribuição, teria um reflexo positivo: "Se a base fosse ampliada, obviamente haveria maior audiência e faturamento. Mas isto é um processo".

Ibope

Na mesma palestra, Dora Câmara, diretora comercial do Ibope Mídia, indicou o aumento da audiência e do tempo médio diário de audiência dos canais pagos neste ano em relação ao mesmo período de 2001. De acordo com o Ibope, a audiência média da TV paga está em 14%, contra 5,4% em 2001; e o tempo médio diário que era de 20:24 minutos, passou para 32:53 minutos. Ainda de acordo com o instituto, durante o horário político, o alcance dos canais pagos teve um aumento da ordem de 85%, elevando a audiência a quase 22%. Cláudio Santos e Rafael Davini concordam que os números referentes ao período eleitoral não devem ser analisados para além deste período. Para os palestrantes, é tarefa dos canais trabalhar para manter a parcela dos telespectadores conquistados após o término da publicidade eleitoral.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
Top