Produtoras
17/12/2015, 17:51

Tangerina Filmes grava série para CinebrasilTV e desenvolve novos projetos para TV

A Tangerina Filmes está gravando a série "Causando na Rua", que mostra ações de coletivos no espaço público. Com direção geral de Tata Amaral, a série conta com diversos diretores convidados, cada um responsável por um episódio. Entre eles estão Maria Farkas, Caru Alves de Souza e Cláudia Priscilla.

Com gravações em locações na cidade de São Paulo até o dia 23 de dezembro, "Causando na Rua" pretende mostrar situações de conflito entre a arte e o espaço público, como o coletivo OPNI com seu projeto "Quadro Negro", que pinta rostos de negros famosos pela cidade.

Segundo a diretora da série e sócia da Tangerina, Tata Amaral, a série será exibida no CinebrasilTV, que tem os direitos para a primeira janela. Além disso, a produtora negocia os direitos para exibição em um canal europeu e  a segunda janela no Brasil. A série é financiada com recursos do Fundo Setorial do Audiovisual, através da linha Prodav 2.

Para Tata, a série é um caso típico do perfil de produção que a produtora, que tem ainda a diretora Caru Alves de Souza como sócia, desenvolve. "Estamos aumentando o número de produções para TV e fazemos questão de nos posicionarmos frente a alguns valores éticos, humanos e políticos. Não queremos atuar de maneira fácil em relação ao entretenimento. Não queremos simplesmente uma comédia ou simplesmente um musical. O audiovisual tem potência de profusão de valores", explica a diretora.

Projetos

Além da série em gravação, outras duas estão em desenvolvimento: "De Menor", adaptação do longa-metragem vencedor do Festival do Rio de mesmo nome, e "A Mulher Que Era o General da Casa", baseada no livro homônimo de Paulo Moreira Leite.

Em cinema, a produtora prepara o lançamento de "Trago Comigo", estrelado por Carlos Alberto Riccelli e dirigido por Tata Amaral, para o primeiro semestre de 2016. Outros três projetos estão em desenvolvimento: "Bagdá", de Caru Alves de Souza, uma parceria com a Manjericão Filmes; "Sequestro Relâmpago", de Tata Amaral; e "Vanessa", de Francisco Cesar Filho.

Para "De Menor", a produtora ainda busca um canal parceiro. Já "A Mulher Que Era o General da Casa" tem "um parceiro de TV engatilhado".

Para TV, conta Tata, o Fundo Setorial do Audiovisual tem sido o modelo de financiamento mais viável. "Ele tem a vocação de dar potência ao audiovisual brasileiro. Prevê o surgimento de novos produtores e atuação da TV pública. Prevê o surgimento de novos canais, inclusive regionais. Pela primeira vez na vida a gente tem um projeto para o audiovisual", comemora.

Segundo a diretora e produtora, a Tangerina também deve passar a trabalhar com projetos de outros autores e diretores. "Queremos experimentar a vocação de produtores de projetos de terceiros, não apenas os meus e os da Caru. Poder chamar pessoas com algo parecido. Todo dia conheço projeto interessantíssimos, de pessoas que não eram daquele ambiente do audiovisual de dez anos atrás", explica.

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 0-2017 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top