Balanço
18/05/2004, 21:46

Receita da Globopar cresceu R$ 458 milhões em 2003

POR REDAÇÃO

A Globopar divulgou o seu balanço financeiro referente ao ano de 2003. Os números, apesar de antigos, mostram alguns resultados do esforço do grupo Globo após a concordata, em outubro de 2002. O mais relevante foi o crescimento das receitas do grupo e do EBITDA das diferentes empresas. O prejuízo também se reverteu, resultado de um saldo cambial favorável em 2003. A dívida do grupo, entretanto, segue elevada e em processo de reestruturação. A comparação entre os anos de 2002 e 2003, contudo, é difícil porque mudaram os critérios de alocação dos resultados das diferentes empresas. Os auditores contratados pela Globopar (Ernst & Young) seguem bastante cautelosos em sua avaliação sobre a viabilidade financeira da companhia.
Basicamente, os resultados da Globopar consolidados trazem os números da TV Globo, Net Serviços (proporcional), Sky (proporcional), Globosat, canais Telecine e USA (proporcional), Globo.com, Editora Globo e gráfica, além da própria holding.
Em 2003, a Globopar teve receita líquida consolidada de R$ 4,123 bilhões, contra R$ 3,665 bilhões em 2002. O EBITDA consolidado foi de R$ 720 milhões em 2003, contra R$ 24,9 milhões negativos em 2002. O resultado líquido consolidado da Globopar foi de R$ 47,5 milhões em 2003, contra uma perda líquida total de mais de R$ 5 bilhões em 2002. A diferença acentuada nos números se deve à variação cambial e novos critérios para alocação dos resultados das empresas, mas também à melhora na situação financeira das diferentes companhias consolidadas no balanço da Globopar, sobretudo as empresas de TV paga. A dívida total garantida por Globopar e TV Globo é de US$ 1,4 bilhão. Somando-se ainda a participação proporcional do grupo nas dívidas das demais empresas e os juros devidos, o total do endividamento vai a US$ 1,927 bilhão. A Globopar fechou 2003 com R$ 388,2 milhões em caixa.

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 0-2017 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top