IBC 2017
18/09/2017, 05:44

Smartphones substituirão as pesadas estruturas de produção em campo?

POR FERNANDO LAUTERJUNG, DE AMSTERDÃ

Os smartphones e as redes móveis sempre são apontados como mais uma oportunidade para os broadcasters chegarem ao consumidor final. Um painel na IBC 2017, que acontece até terça-feira, 19, em Amsterdã, mostrou que estes são também ferramentas para levar novos conteúdos aos broadcasters e devem, cada vez mais, substituir as pesadas e caras equipes de produção remota. Para Glen Mulcahy, head de inovação da RTE o smartphone é o "canivete suíço" dos broadcasters. As equipes de jornalismo de 80 mil euros hoje são muito reduzidas, explica o executivo. Segundo ele, já é possível fazer o mesmo com 5 mil euros. "A história é tudo", disse. O executivo chegou mostrar no evento filmagens de qualidade profissional realizadas com smartphones, que já podem captar em 4K e HDR.

Tim Sargeant, da BBC, vai na mesma direção. Para ele, o modelo caro de produção podem ser substituídos por novas ferramentas que "são baratas e ricas em características". Sargeant diz que os jornalistas precisam se tornar "self-streaming" na cobertura.

Além do jornalismo

Um dos paineis mais aguardados da IBC costuma ser o "what caught my eyes", que traz tendências encontradas nos pavilhões da feira. Este ano, o destaque ficou com George MacCallum, que se define como um "one-man band". Ele veio à feira com o intuito de criar um kit completo de produção por menos de 20 mil euros.

Ele conseguiu montar um kit com equipamentos profissionais e satisfatoriamente leve e de fácil transporte. Com esse valor, ele trouxe algumas opções de camcorders compactas profissionais capazes de gravar em 4k, inclusive no formato sem compressão RAW, de melhor qualidade. As camcorders, com o valor pré-estipulado, podem compor o kit formado ainda por equipamentos de movimento de câmera, iluminação e microfone.

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 0-2017 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top