V Fórum Brasil
27/05/2004, 19:32

Executivos debatem segmentação e generalização da programação

POR REDAÇÃO

No painel destinado à discussão sobre o futuro da grade de programação em televisão, durante o V Fórum Brasil de Programação e Produção, nesta quinta-feira, 27, o superintendente comercial do SBT, Antônio Athayde, destacou em sua apresentação que há uma tendência entre os anunciantes da TV aberta em patrocinar programação que se encaixe no perfil de hábitos do seu consumidor. "Não conta mais o target sócio-econômico, apenas saber se o perfil de consumo é público A, B ou C; o anunciante está voltado ao perfil do telespectador". Para ele, a grande questão sobre a multiplicidade de canais que vai resultar da digitalização da TV aberta é sobre quem vai pagar a conta, uma vez que o setor se sustenta com verba de publicidade e hoje, na TV, ela está em cerca de 80% concentrada na emissora-líder, ou seja, a Rede Globo. Para ele, no futuro, não haverá uma cobertura única de um acontecimento único, mas sim diversas coberturas de acordo com público. Athayde exemplifica, citando o diretor da Globosat Alberto Pecegueiro: "Diferentemente da chegada do homem à Lua, quando a transmissão foi uma só, quando o homem aterrissar em Marte não se verá uma transmissão como foi a de 1969, mas sim uma grande variedade delas, cada uma de um jeito e para um tipo de público".

Majors

Já Luiz Gleiser, da Rede Globo, traçou um paralelo sobre o mercado de norte-americano, mostrando o desenho dos grandes grupos de mídia que através de aquisições e fusões controlam o conteúdo em suas diversas cadeias de distribuição: TV aberta, TV fechada, estúdios de cinema, Internet etc. Com o advento da TV aberta digital naquele mercado, surge uma nova força naquele mercado, que é a dos broadcasters oferecendo pacotes de canais, tais como as distribuidoras de TV por assinatura.

Anunciante

Gustavo Diamant, gerente de marketing da fabricante de bebidas Diageo (marcas Smirnoff, J&B, Johnnie Walker entre outras) afirmou que nem sempre na TV (aberta ou fechada) o anunciante encontra um programa adequado ao público que determinada campanha pretende atingir, sendo necessária a execução de outras ações de marketing que não a veiculação de comercial na TV.

Reality Shows

Questionada sobre a presença de reality shows feitos pela sua empresa, Carla Affonso, da Endemol Globo, contou que um programa como o polêmico sucesso "Big Brother" é um fenômeno 100% da TV aberta nos diversos países em que foi exibido. Mas ela destacou que outros títulos de reality shows também se sofisticaram, e são atrações cultuadas de canais como BBC. No Brasil, já há também programas da Endemol exibidos nos canais People + Arts ("Minha Casa, Tua Casa"), e também em breve no GNT ("Mundos Separados").

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 0-2017 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top