OUTROS DESTAQUES
Espectro
Tesouro não interfere no modelo de licitação dos 700 MHz, diz Paulo Bernardo
quinta-feira, 06 de março de 2014 , 17h02 | POR COM INFORMAÇÕES DA AGÊNCIA BRASIL

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta quinta, 6 que o Tesouro Nacional tem demonstrado interesse em aumentar a arrecadação com o próximo leilão de 4G, mas garantiu que a área econômica do governo não opina sobre o modelo de licitação que está sendo desenhado pela Anatel.

"O Tesouro não está interferindo. O Tesouro me procurou, o Arno (Augustin, secretário do Tesouro Nacional) precisa cumprir a meta fiscal, e quer saber qual será a arrecadação. E até deixou claro que tem interesse que a arrecadação seja a melhor possível. Agora, a definição técnica do modelo de leilão está sendo feita pela Anatel, e não está pronta ainda", disse Bernardo.

Inicialmente, o valor da arrecadação com o leilão estava previsto em R$ 6 bilhões. Segundo Bernardo, a faixa de frequência de 700 MHz vale até mais que R$ 12 bilhões, mas ele explicou que algumas obrigações, que serão impostas aos ganhadores, reduzem o valor da outorga.

O ministro garante que as empresas que ganharem a licitação terão que ressarcir as despesas com a redução de interferências e a liberação de faixas de frequências, necessárias para a implantação da nova tecnologia. Mas o governo ainda não definiu se irá abrir mão de outras obrigações para aumentar o valor da outorga, como a antecipação de metas de cobertura de 3G. No último dia 19, o secretário executivo do Ministério das Comunicações, Genildo Lins, já havia falado da expectativa de aumento da arrecadação. Na mesma ocasião, conforme noticiado por este boletim, a Anatel também negou o desejo de discriminar operadores ou fazer a licitação de blocos desiguais.

A tendência é de que o leilão seja dividido em quatro blocos, como está previsto na resolução que determinou as regras para a licitação. Bernardo deixou claro que não haverá distinção de obrigações para cada tipo de bloco, especialmente no que diz respeito à neutralidade de rede, que é a previsão de que os provedores tratem da mesma forma qualquer pacote de dados. "Isso não vamos fazer de jeito nenhum. O governo é a favor da neutralidade, está no nosso projeto do Marco Civil da Internet, e vai ser respeitado pelo ministério e pela Anatel", disse. Segundo ele, a mudança pode ser o desejo de alguém, "mas não está na nossa cogitação de jeito nenhum".

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro do mercado de satélites brasileiro

31 de agosto a 1 de setembro
Royal Tulip Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Top