OUTROS DESTAQUES
Internacional
Chairman do FCC já indica que haverá reclassificação da banda larga
quinta-feira, 08 de janeiro de 2015 , 03h52 | POR BRUNO DO AMARAL, DE LAS VEGAS

Com a mudança de ano, mudou também o teor do discurso do chairman da Federal Communications Commission (FCC), Tom Wheeler. Em debate durante a Consumer Electronics Show (CES 2015) nesta quarta-feira, 7, ele evitou se opor às posições do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deixando claro que a ideia da agência reguladora norte-americana é mesmo reclassificar a banda larga sob o Title II, colocando-a como serviço de telecomunicações. O principal argumento é que o serviço móvel nos EUA já funciona com essa classificação e isso não teria impedido o progresso – e o sucesso – das operadoras nos últimos anos.

"No último verão, começamos a investigar a abordagem do Title II e chegamos a uma conclusão do porquê que seria a melhor projeção, e é a melhor", disse, acrescentando que isso incluiria não haver priorização de tráfego na Internet, nem bloqueio e nem aceleração. Wheeler explica que ajudou a criar nos anos 90 o mecanismo de regras para a indústria de telefonia móvel naquele país dessa forma. "Nos últimos 20 anos, a indústria wireless foi monumentalmente bem sucedida, com bilhões em investimento, e com (o serviço móvel como) Title II. Então eu falei: há uma maneira de fazer com Title II de forma correta", declara. Para tanto, seria necessário moldar o texto para retirar "partes que são inapropriadas e que prejudicariam o investimento".

O chairman da FCC acredita que essa nova abordagem permitiria a competição da mesma forma como existiu na indústria móvel, argumentando que provedores menores se declararam a favor da Open Internet. "O desafio é com os grandes ISPs (Internet Service Providers), eles falam que Title II seria terrível. Interessante é que depois do que o presidente Obama falou, ainda tivemos uma arrecadação recorde no leilão de espectro móvel AWS", comparou Wheeler.

Ele justifica que esse recorde na quantia de cerca de US$ 2,30 por cada MHz (em dezembro, a estimativa era que o leilão já batia a casa dos US$ 44,3 bilhões) foi conseguido porque também cresceram as oportunidades de receita para operadoras com a banda larga móvel. "Essa quantia reflete uma nova realidade de receita, EBTIDA e fluxo de caixa no espaço wireless, os CFOs sabem que têm uma quantia para gastar com leilão", declarou. "É uma transação financeira, de investimento e negócios."

Segundo Wheeler, as reuniões com os demais conselheiros da FCC para discutir o Open Internet, com a neutralidade de rede e a reclassificação da banda larga, deverão começar no próximo dia 5 de fevereiro, com a votação prevista para o dia 26 do mesmo mês.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro do mercado de satélites brasileiro

31 de agosto a 1 de setembro
Royal Tulip Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Top