OUTROS DESTAQUES
3GSM World Congress
Para Alcatel-Lucent, banda larga wireless muda modelos
quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007 , 17h56 | POR SAMUEL POSSEBON, DE BARCELONA

A Alcatel-Lucent também prefere não se posicionar (pelo menos agora) sobre a suposta oposição entre WiMAX e redes HSPA e 3G-LTE. ?Essa é uma discussão de quem só tem uma das tecnologias. Quem vai decidir isso são os operadores e o mercado, e essa decisão será em função das faixas de espectro que cada operador tiver disponível, da rede instalada hoje e da estratégia de marketing que cada um adotar?, diz a este noticiário André Méchaly, vice-presidente de marketing para as linhas de produtos GSM/W-CDMA/WiMAX.
?A operadora tem as faixas de 3G? Quer ser a primeira a entrar com uma tecnologia? Quer evoluir a sua rede fixa? Tudo isso deve ser considerado. Uma tecnologia não exclui a outra?.
Para Méchaly, não haverá um movimento de substituição da rede de banda larga fixa para o mundo móvel ou wireless. ?É verdade que as redes wireless conseguirão chegar a 100 Mbps não muito longe, mas é uma velocidade por célula. As operadoras fixas respondem com redes FTTx que chega com essa velocidade na casa do assinante. É uma disputa que pende a cada hora para um lado?. Daí, diz ele, a necessidade das soluções de convergência entre redes fixas e móveis. ?As aplicações de uma rede precisam passar de forma transparente para a outra plataforma, da fixa para a móvel e vice-versa?.
A Alcatel-Lucent mantém o discurso diplomático, obviamente, por atuar nos dois universos. Mas André Méchaly reconhece que alguns modelos de negócio precisarão ser revistos no universo da banda larga móvel. ?O que vemos hoje é uma crescente demanda por capacidade de rede móvel para aplicações de dados, como ferramentas corporativas e mobile TV. Obviamente, em algum momento os clientes vão começar a exigir o mesmo modelo de preços praticados nas redes fixas?.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
Top