OUTROS DESTAQUES
Banda Larga
Impsat investe US$ 5 milhões em rede pré-WiMAX
segunda-feira, 17 de outubro de 2005 , 18h37 | POR LETÍCIA CORDEIRO

A Impsat vai investir US$ 5 milhões para expandir a sua rede utilizando uma tecnologia Broadband Wireless Access (BWA) pré-WiMAX em 12 cidades em que provedora de soluções para o mercado corporativo atua: São Paulo, Campinas e Sorocaba, no Estado de São Paulo; Rio de Janeiro (RJ); Belo Horizonte (MG); Curitiba e Londrina, no Paraná; Porto Alegre (RS); Brasília (DF); Salvador (BA); Recife (PE); e Fortaleza (CE).
De acordo com o diretor da divisão de dados da empresa, Pablo Yañez, a ampliação da rede com a tecnologia BWA permitirá à Impsat atender a um maior número de clientes, uma vez que resolve o problema da capilaridade da rede, baseada atualmente em fibra óptica e rádio. ?Muitas vezes nossos preços não eram competitivos porque alugávamos capacidade de outros provedores e os custos desses links não viabilizavam o projeto?, conta Yañez.
A pré-WiMAX do Brasil será similar aos projetos já implementados pela Impsat na Argentina e na Colômbia entre o final de 2004 e o início deste ano. Os testes no Brasil, que tiveram início em abril último em São Paulo, terminaram há cerca de um mês e a expectativa de Yañez é de que os primeiros clientes comecem a testar os serviços já oferecidos pela Impsat de transmissão de dados, internet e telefonia sobre BWA nos próximos 15 dias. ?Já temos 12 clientes com contratos assinados para usar os nossos serviços sobre a tecnologia pré-WiMAX, alguns dos quais já tinham parte da rede contratada conosco e resolveu migrar completamente e até quem ainda não era cliente?, revela o diretor. A expectativa da Impsat é dobrar a base atual de 600 clientes corporativos nos próximos três anos.

Freqüências

O projeto nas 12 cidades deve ser concluído nos próximos seis meses e, segundo Yañez, o investimento inclui a aquisição de licenças para operar nas freqüências de 3,5 GHz e 10,5 GHz, faixas que deverão ser licitadas pela Anatel até o final do ano. ?Ainda não definimos se vamos operar apenas em uma das faixas ou em ambas. Mas a nossa experiência na Colômbia e na Argentina mostra que usando as duas freqüências conseguimos maior eficiência operacional e é provável que fiquemos com as duas?, afirma. Os testes no Brasil utilizaram a freqüência aberta de 5,8 GHz.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro do mercado de satélites brasileiro

31 de agosto a 1 de setembro
Royal Tulip Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Top