OUTROS DESTAQUES
Fornecedores
Cisco minimiza impacto de prisões em nota oficial
quarta-feira, 17 de outubro de 2007 , 14h52 | POR ERIVELTO TADEU

Em comunicado divulgado ao mercado nesta quarta-feira (17/10), a Cisco admite que funcionários da empresa foram detidos durante a Operação Persona, deflagrada na madrugada de terça-feira pela Receita Federal, em conjunto com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal, para desarticular um suposto esquema de fraude no comércio exterior e que prendeu 40 executivos, envolvendo dirigentes da subsidiária brasileira e da distribuidora Mude.
No texto, a multinacional americana procura minimizar o impacto das prisões ao dizer que "um pequeno número de funcionários foi detido". Entre os funcionários estão Pedro Ripper, presidente da Cisco no Brasil, Carlos Carnevali, ex-presidente na América Latina, Carlos Carnevali Jr., gerente para desenvolvimento de negócios na América Latina, e Marco Sena, diretor de canais.
Oficialmente a PF não confirma o nome dos funcionários presos durante a Operação Persona, que mobilizou ontem 650 agentes da PF, Receita Federal e Ministério Público Federal. Mas esta reportagem apurou junto a uma fonte ligada às investigações que os executivos foram encaminhados à Superintendência da Polícia Federal em São Paulo.

Terceiros

A nota informa que o suposto esquema de sonegação de impostos envolve um revendedor da empresa no Brasil, sem citar explicitamente a Mude. ?De acordo com relatórios oficiais, a questão envolve um grupo de empresas brasileiras, pelos menos uma delas é um revendedor da Cisco no Brasil?, diz um trecho do comunicado, para mais adiante enfatizar que a companhia não possui operações de vendas diretas no Brasil. ?Pelo contrário, nós vendemos nossos produtos através de parceiros diretos (Tier 1)?, cita a nota.
A Cisco do Brasil faz parte da área de mercados emergentes, responsável por 10% de seu faturamento global, que neste ano está estimado em US$ 35 bilhões.
Apesar de a PF ter fechado os escritórios da empresa em São Paulo e no Rio de Janeiro, a Cisco diz no comunicado que ?os negócios permanecem em andamento na região através destes parceiros?.
O informe diz ainda que "os princípios fundamentais da Cisco incluem o cumprimento das leis e regulamentações de todos os países nos quais opera?. ?No momento, nós estamos apurando os fatos para estabelecer o quê realmente aconteceu no Brasil e determinar como esta investigação envolve a Cisco. Nós estamos cooperando totalmente com as autoridades brasileiras?, continua o comunicado, que não é assinado por nenhum executivo da companhia.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro de lideranças do mercado de telecomunicações

19 de setembro a 20 de setembro
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top