OUTROS DESTAQUES
Competição
TVA diz não ter sido avisada de estudo da ABTA sobre teles
quinta-feira, 18 de janeiro de 2007 , 22h04 | POR SAMUEL POSSEBON

A operadora de cabo e MMDS TVA, integrante do conselho diretor e sócia da ABTA (associação que representa as operadoras de TV por assinatura), afirma que não foi informada pela entidade da existência de um estudo encomendado à empresa Frost & Sullivan sobre os impactos da entrada das empresas de telecomunicações no mercado de TV paga brasileiro. A ABTA convidou a imprensa nesta quinta, 18, para apresentar os resultados do estudo. E a TVA, segundo Leila Loria, presidente da empresa, só tomou conhecimento dos fatos depois que leu as reportagens publicadas. "É revoltante que uma associação da qual somos membros, participamos ativamente, pagamos a contribuição e somos sócios fundadores tenha encomendado um estudo sobre um tema tão relevante, convocado a imprensa e anunciado os resultados sem sequer nos avisar", diz Leila. Segundo a executiva, nem mesmo a idéia de contratar o estudo foi mencionada para a TVA anteriormente.

Divisão

O episódio expõe, mais uma vez, uma divisão que existe no setor de TV paga em relação ao tema. De um lado estão as empresas que consideram que a entrada das empresas de telecomunicações traria grandes ameaças ao mercado. Net Serviços e Sky+DirecTV são as principais operadoras que compartilham desta opinião. De outro lado, estão operadoras como a TVA, a WayTV e a DTHi, todas com parcerias já estabelecidas com concessionárias de telefonia local.
A TVA tem um acordo de venda de participação acionária firmado com a Telefônica no final de 2006. O negócio ainda está sendo analisado pela Anatel. A posição manifestada pela ABTA nesta quinta, com base no estudo da Frost & Sullivan, tem relação direta com os negócios da TVA. Alexandre Annenberg, diretor executivo da associação, que apresentou o estudo ao lado de Fernando Mousinho (integrante da diretoria da ABTA e representante da Net Serviços) e Alex Zago (da F&S), afirmou inclusive que não haveria problema se a Telefônica tivesse comprado uma operação de TV por assinatura fora do Estado de São Paulo, onde é concessionária. "Pelo que eu pude entender do estudo, porque ele não me foi mostrado, a associação da qual sou vice-presidente, desconsidera-se o fato de que já existe uma grande tele, de atuação pan-regional, no mercado de TV paga brasileiro, que é a Telmex, acionista da Net. Isso não tem impacto nenhum?", diz Leila Loria, sem esconder o tom de indignação.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
Top