OUTROS DESTAQUES
Globalstar do Brasil planeja crescer, apesar da concordata da Globalstar International
segunda-feira, 18 de fevereiro de 2002 , 20h00 | POR REDAÇÃO

Enquanto os satélites continuarem funcionando, o pedido de concordata da Globalstar Internacional parece não tirar o otimismo da Globalstar do Brasil. Apesar da delicada situação financeira de sua equivalente norte-americana, a empresa brasileira espera um bom crescimento em 2002: quer dobrar seu tráfego, aumentar em 50% seu faturamento e finalmente atingir o break-even operacional. "A notícia da concordata talvez assuste os clientes. Mas o importante é esclarecer que se tratam de duas empresas distintas. Não somos uma subsidiária da Globalstar Internacional", explica o presidente da Globalstar do Brasil, Michael Vahrenkamp. Financeiramente, são duas empresas diferentes. Há, porém, sócios em comum: a companhia brasileira é controlada pela Loral Spacecomm e pela EADS, que também compõem o consórcio de empresas que dividem a Globalstar Internacional. A relação entre elas é comercial: a Globalstar do Brasil oferece serviços usando os satélites da Globalstar Internacional e a remunera por minuto trafegado.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro do mercado de satélites brasileiro

31 de agosto a 1 de setembro
Royal Tulip Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Top