OUTROS DESTAQUES
Política de comunicações
Acel e Abrafix não querem novos serviços em regime público
quarta-feira, 18 de julho de 2007 , 00h05 | POR REDAÇÃO

Para os presidentes da Acel (associação que representa os operadores móveis brasileiros) e Abrafix (que representa as concessionárias de telefonia fixa), não faz sentido, no momento atual das telecomunicações, falar em metas de universalização e obrigações de continuidade para novos serviços, como telefonia celular ou banda larga. Ércio Zilli, presidente da Acel, e José Fernandes Pauletti, presidente da Abrafix, criticaram duramente o fato de o governo exigir das empresas o ônus da universalização de serviços de telecomunicações.
"No modelo original, o que deveria acontecer é que onde não houvesse viabilidade para a prestação do serviço, caberia ao poder concedente financiar o atendimento", lembrou Zilli, ao ser questionado sobre a possibilidade de novos serviços ganharem a qualificação de serviços prestados em regime público, como acontece hoje com a telefonia fixa. "Eu não acho que o serviço de banda larga, por exemplo, precise ser passível de universalização, mas se essa for uma decisão de Estado, não cabe a nós discutir", disse Pauletti.
Zilli também criticou o fato de que boa parte da atividade regulatória estar se dando sobre fatos específicos, e não antecipando problemas. As associações participaram da 3ª Jornada Nacional de Direitos de Telecomunicações, organizada pela ABDI (Associação Brasileira de Direito de Informática), em Brasília nesta terça, 17.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro do mercado de satélites brasileiro

31 de agosto a 1 de setembro
Royal Tulip Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Top