OUTROS DESTAQUES
Incumbents defendem que a competição se dará pela atratividade econômica
quinta-feira, 22 de novembro de 2001 , 21h07 | POR REDAÇÃO

Para o vice-presidente executivo de operações da Telefônica, Stael Prata, a competição a partir do ano que vem somente acontecerá onde houver atratividade econômica. Para ele, a Embratel tem várias opções de acesso à última milha – cabo, wireless, satélite – antes da solução do unbundling. Segundo Purificación Carpinteyro, o mercado de voz local movimentou US$ 9,1 bilhões o ano passado (mais de 60% do total da receita do setor), a longa distância nacional (LDN) e a longa distância internacional (LDI) geraram US$ 4 bilhões e o mercado de dados e Internet foi responsável por US$ 3,1 bilhões. Para ela, as soluções tecnológicas para atingir a última milha ainda são caras comparadas ao unbundling e, como exemplo, disse que em Nova York, 72% das linhas comercializadas pelas operadoras competitivas locais (CLECs) são provenientes de soluções de revenda e unbundling.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro do mercado de satélites brasileiro

31 de agosto a 1 de setembro
Royal Tulip Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Top