OUTROS DESTAQUES
Leilão do SMP
BrT planeja oferecer 100% de ágio por licenças em sua região
quarta-feira, 23 de outubro de 2002 , 19h53 | POR FERNANDO PAIVA

A Brasil Telecom (BrT) está interessada em comprar apenas licenças de SMP para as áreas que compõem a sua região de atuação e planeja apresentar propostas com ágio de cerca de 100% sobre o valor dos preços mínimos. A informação partiu de uma fonte ligada à própria empresa, mas não é confirmada oficialmente pela assessoria de comunicação do Opportunity, sócio controlador da BrT. O banco gestor de fundos informou que ?não se pronuncia sobre boatos?.
A Anatel estabeleceu os seguintes preços mínimos para as licenças das áreas que compõem a região de atuação da BrT: R$ 69,149 milhões (Paraná e Santa Catarina); R$ 47,528 milhões (Rio Grande do Sul) e R$ 68,241 milhões (Acre, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rondônia, Tocantins e Distrito Federal). Ou seja: juntas, as três licenças podem ser vendidas por no mínimo R$ 184,918 milhões. Se a BrT oferecer um ágio de 100% por essas três licenças, pagará quase R$ 370 milhões.
A estratégia de participação da BrT no leilão, todavia, ainda depende de aprovação pelo conselho de administração da empresa, que deverá se reunir para debater o assunto em breve.
É provável que, diante desse alto valor proposto de ágio, os fundos de pensão Previ, Petros e Telos, também acionistas da BrT, se posicionem contra a participação da operadora no leilão. Entretanto, pelo acordo de acionistas de Invitel ? empresa que controla indiretamente a BrT ?, os representantes das fundações no conselho são obrigados a acompanhar o voto do Opportunity.
Vale lembrar que se a Brasil Telecom se tornar controladora de qualquer empresa de telefonia celular será criado um obstáculo para a volta da Telecom Itália ao controle da concessionária local, já que a companhia italiana é dona da TIM, operadora móvel com licença nacional. O banco gestor, no entanto, já afirmou que não pretende romper acordo para que os italianos possam voltar ao controle da BrT.
Também resta saber o que a BrT vai fazer quanto ao seu impedimento de entrar em outras operações enquanto não antecipar suas metas de universalização de 2003. Uma saída seria a retomada desta antecipação, que agora sairia a um custo muito mais baixo do que o previsto para 2001, quando a empresa abandonou este empreendimento. Isto por conta da maior proximidade da data-limite para as metas (dezembro de 2003) e também pela atual ociosidade das linhas de produção dos fornecedores de equipamentos.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
Top