OUTROS DESTAQUES
Mercado
Telefonia móvel: UIT mantém Brasil como o país mais caro do mundo
segunda-feira, 24 de novembro de 2014 , 16h33 | POR HELTON POSSETI

Mais uma vez o Brasil aparece como o País com a telefonia móvel mais cara do mundo, no relatório "Medindo a Sociedade da Informação", divulgado anualmente pela União Internacional de Telecomunicações (UIT). Pelo relatório, o custo médio de uma cesta de serviços (de 51 minutos e 100 mensagens de texto por mês em planos pré-pagos) no Brasil é de US$ 48,32, ou seja, algo em torno de R$ 123. O valor é muito superior aos de US$ 16,9 de custo médio da cesta de serviços dos 166 países analisados. Na comparação com a renda do brasileiro, entretanto, o País está na 119ª posição do mais barato para o mais caro.

Antecipando-se à divulgação dos números da UIT, o SindiTelebrasil contratou a consultoria Teleco para apurar o valor efetivamente cobrado pelas operadoras em 17 países, além do Brasil. Isso porque, a UIT utiliza os valores homologados pelas companhias junto aos órgãos reguladores, o que não leva em conta descontos e promoções.

"Em nenhum momento podemos dizer que a UIT está errada, porque ela pegou os preços diretos dos balcões. Mas podemos dizer que o preço da UIT não representa a realidade", afirmou na ocasião o presidente-executivo do SindiTelebrasil, Eduardo Levy.

De acordo com o estudo contratado pelo sindicato, o preço do minuto do celular dentro da cesta da UIT seria de US$ 0,24 e não US$ 0,74, como aponta o estudo da UIT. Assim, na comparação com os demais 17 países, o Brasil seria o oitavo mais caro deles.

Outro argumento apresentado pelo SindiTelebrasil para corroborar a tese de que o preço apurado pela UIT não corresponde à realidade é o fato de que multiplicando o tempo médio gasto no celular (133 minutos, segundo a Anatel) pelo preço do minuto de US$ 0,74, o brasileiro gastaria por mês R$ 220 com telefonia móvel.

Além disso, a cesta média de serviços considerada pela UIT não está aderente à realidade de consumo no Brasil, segundo o sindicato. A UIT considera que dos 51 minutos, 53,1% seriam destinados para a mesma operadora; 26,4% para celulares de outra operadora e 20,5% para telefones fixos. No levantamento do Teleco foi considerada uma cesta de 100 minutos, sendo que 90% seria para celulares da mesma operadora; 5% para outra operadora e 5% para telefones fixos.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro de lideranças do mercado de telecomunicações

19 de setembro a 20 de setembro
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top